Cinema
Documentários

Uma Cidade Mística

Coração do Império Maia por mais de dois mil anos e, na idade moderna, primeira capital da Guatemala, a cidade de Antígua tornou-se patrimônio da humanidade. Apresentando uma arquitetura colonial exuberante, encontra-se encravada num vale cercado por vulcões, o que acentua a atmosfera mística. É neste cenário surpreendente que acontece todos os anos um dos eventos mais impressionantes do mundo. A Semana Santa.

 

Uma População Devotada

Trabalha-se o ano inteiro para as celebrações. O envolvimento da população de cerca de 50 mil pessoas é quase total. Na cidade existem cerca de 20 irmandades religiosas. Cada uma com as suas cores, o seu estandarte, hino e a sua personalidade litúrgica. A decisão dos fiéis de pertencer a uma determinada irmandade geralmente é uma escolha feita muito cedo, ainda na infância ou adolescência e dura a vida toda. Às vezes segue a tradição familiar, outras vezes trata-se de uma opção de caráter íntimo e inexplicável. A celebração da Semana Santa termina no Domingo da Ressurreição e na segunda-feira a cidade dá início às providências para o ano seguinte.

Há numerosas semelhanças entre o fenômeno da Semana Santa guatemalteca e a maior festa popular brasileira, o Carnaval. A principal diferença, claro, é a natureza particular dos dois eventos. Este último é uma festa pagã que celebra o corpo e as coisas terrenas. A exuberância da Semana Santa guatemalteca exala um sentimento de arrebatamento espiritual e transcendência.

 

Uma Tradição que atravessa gerações

A maior parte dos adolescentes e jovens da cidade de Antígua tem como uma de suas principais aspirações alcançar uma participação oficial nos cortejos religiosos, repetindo os passos dos seus pais, avós, bisavós e até tataravós.

 

Uma Juventude Surpreendente

Embora estejam presentes na cultura guatemalteca os ritmos musicais dançantes como a salsa, merengue e até uma versão de rock caribenho, a adesão a esses estilos musicais é baixa entre a população, mesmo entre jovens. A grande paixão nacional são as marchas fúnebres. A obra de Chopin é mais conhecida do que a de Michael Jackson. Músicos adolescentes em princípio de carreira sonham em ter uma marcha fúnebre de sua autoria executada durante os cortejos da Semana Santa. A sexta-feira é o ponto mais alto da celebração e ter uma obra executada neste dia, constitui-se numa honrosa distinção até para músicos consagrados.

 

Uma Sublime Competição

É nítido o sentimento elevado e o silencioso júbilo que predomina entre a população nesse período. No entanto essa atmosfera de arrebatamento não elimina uma discreta e saudável competição entre as várias irmandades que se esmeram para apresentar à população o cortejo mais bonito, comovente e que traga a mensagem mais evangelizadora.

 

O Filme

O documentário Devoción irá se ocupar desses temas. Sem citar o Carnaval brasileiro explicitamente, irá realçar as várias semelhanças existentes entre os dois eventos populares. A partir desse discreto paralelo, buscar o contraste de valores presentes nas duas manifestações que levam a sentimentos tão distintos entre si.

Na sua primeira parte, o filme se manterá na intimidade das casas, oficinas de artistas, salas de ensaios de músicos, ouvindo e revelando o cotidiano íntimo daqueles que realizam o evento religioso na Guatemala.

Aos poucos as procissões vão tomando as ruas e, inicialmente, serão ouvidas ao longe. Gradualmente, vão se revelando à câmera em pequenos detalhes vistos através de cortinas e frestas de janelas. Os cortejos passam diante das casas como gigantescos animais que vão se revelando aos poucos. A câmera deixa o interior dos prédios e ganha o exterior mostrando as surpreendentes dimensões dessa celebração que envolve toda a cidade. Vemos a extensão dos cortejos em tomadas aéreas. Toda a ação se desenvolverá de dentro para fora, numa clara referencia à fé que se constitui numa das principais forças mobilizadoras da natureza humana.  

1N.jpg2N.jpg3N.jpg44N.jpg4N.jpg5N.jpg6N.jpg7N.jpg8N.jpg